Logo do Site

14 09 Baner Microbiologia
O professor da UFRJ Gil Sant'Anna, trás um assunto muito importante que é negligenciado na universidade: A Saúde mental do corpo discente e docente.
Nos últimos 3 anos, tiveram mais casos de suicídio do que a média, e temos altos índices de ansiedade, depressão e desistência nos cursos de graduação e pós-graduação. Os serviços de atendimento psicológico e psiquiátrico (DPA, Fórmula e IPUB) não conseguem atender toda demanda e ainda mais alarmante: as pessoas não procuram esses serviços.
No último semestre o professor ofereceu uma disciplina livre para alunos da UFRJ chamada de "Habilidades Socioemocionais", um tema no qual teve formação no King's College e em Stanford, e vem trabalhando no setor privado há um tempo. Os resultados da primeira turma foram bastante encorajadores e a principal métrica que encontrou foi o aumento de resiliência acadêmica.

Este semestre está lançando a segunda turma, junto com um livro sobre Habilidades Socioemocionais no Ambiente Universitário, tudo 100% gratuito e não estará recebendo para isso, somente pelo desejo de contribuir para nossa Universidade.

Para fazer parte da turma, faça sua inscrição aqui!
Faça download do livro aqui.

cti
"Não podemos só prometer, temos que mostrar o impacto de tudo que já fizemos", alertou Hernan Chaimovich sobre a importância de se avaliar estrategicamente os projetos de pesquisa, em reunião com a comunidade científica na última segunda-feira (5), na SBPC, em São Paulo

O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Hernan Chaimovich, na última segunda-feira, 5 de setembro, um novo formato de gestão e avaliação de projetos em Ciência, Tecnologia e Inovação que está em discussão no CNPq, e que tem como prioridade o impacto social, intelectual e econômico do estudo. A apresentação foi feita para representantes de sociedades associadas da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e outros membros da comunidade científica, que se reuniram ontem na sede da SBPC em São Paulo.

Chaimovich falou sobre a importância de mudar a maneira de avaliar a qualidade da ciência, muito focada em números e resultados, quando se deveria pensar no impacto que esse conhecimento deve ter na sociedade. "A comunidade científica está muito acostumada a apresentar resultados; isso é a mesma coisa que uma pessoa dizer que vai apresentar uma lavadora de roupas contando as peças, muito orgulhoso porque o número de parafusos aumentou 25%. Mas ninguém mostra se esta máquina é melhor que qualquer lavadora que exista. Isso é a diferença entre resultado e impacto", explica.

Para o presidente do CNPq, a ciência deve gerar impacto intelectual, social e econômico. Por impacto intelectual, ele descreve as ideias que produzem novas ideias, que fazem a humanidade mais sábia e que permitem formar gerações de novas ideias. Já o impacto social está relacionado ao conhecimento produzido capaz de influenciar políticas públicas, que possa diminuir a desigualdade, ou mesmo que possa reduzir, por exemplo, o tempo de espera na fila do SUS; ou, ainda, que aumente o envolvimento social com a ciência. Por fim, o impacto econômico corresponde às ideias que criam empresas e geram empregos, que aumentam a competitividade e criam setores industriais.

"Não podemos nunca nos esquecer que ideias incrementais de velas, jamais criam lâmpadas. O impacto da ciência melhora a saúde, os negócios funcionam melhor, atrai gente, atrai financiamento para pesquisa, atrai pessoas, forma pessoas, melhora políticas públicas", diz.

Segundo ele, tudo isso depende de um ecossistema, que compreende a pesquisa básica, a tradução da pesquisa, o desenvolvimento de uma planta piloto e a transferência de tecnologias. Para isso, é preciso apoio social e também do governo, para que a ciência entre na agenda de prioridades e consiga o financiamento necessário.

"Não podemos só prometer, temos que mostrar o impacto de tudo que já fizemos", alerta sobre a importância de se avaliar estrategicamente os projetos de pesquisa, pensando justamente em como ele vai gerar impacto na sociedade: "Quando falamos com os 'ministros dos dinheiros' esquecemos que se não fosse pela nossa ciência, não teríamos vacina contra hepatite no Brasil - ou a vacina custaria 100 vezes mais. Não teríamos uma vacina contra dengue, que sairá logo - pelo custo de alguns centavos de dólares".

Nova avaliação

Chaimovich contou que o CNPq está estudando um novo ciclo de gestão de avaliação em CT&I, baseado em um modelo de árvore de estrutura hierárquica (ver apresentação completa no link abaixo). "Estamos estudando uma proposta que possa estruturar um problema, ajustar um modelo, obter dados e informações que tenham a ver com o modelo, aplicar o modelo, selecionar um projeto que esteja de acordo e avaliar resultado do projeto e impacto", resumiu.

Nessa nova proposta, a opção é avaliar o projeto de forma holística, com critérios que se flexibilizam de acordo com as diferentes áreas. "É uma árvore flexível. Ao invés de contar coisinhas, pretendemos fazer uma avaliação holística do projeto, dos resultados, do impacto", afirma.

Ele explica que os diferentes Comitês de Assessoramento (CA), que julgam e analisam os projetos nas agências de fomento, teriam, com essa metodologia, mais flexibilidade para atribuir percentagens diferentes a cada área, a cada componente, e que essa possibilidade pode ser ainda mais aberta - por isso o modelo de árvore. Por exemplo, o quesito "experiência na formação de recursos humanos" pode se abrir para critérios como supervisão de pós-graduação, orientação de doutorado, mestrado, etc., com percentuais adaptados. Outro exemplo dado é que no critério "potencial de implementação" é possível analisar o desenvolvimento de pesquisa, participação, utilização.

"É possível pensar no potencial de impacto, no alinhamento desse projeto com as estratégias púbicas de CT&I; no risco. E assim, é possível assinalar uma porcentagem para cada um desses aspectos. E cada um desses critérios podem ser separados em foco, potencial de aplicação, ou componentes, e todos os coeficientes podem ser ajustados, dependendo da área", diz.

A nova avaliação ainda não tem prazo para ser implementada. O Conselho está realizando um piloto com um CA de engenharia química que aceitou fazer uma dupla avaliação de projetos - uma pelo método clássico, outra pela nova proposta. Chaimovich conta que até o momento já foram observadas algumas diferenças nos resultados, principalmente nos projetos considerados medianos - aqueles que não estão entre os melhores e nem entre os piores. Mas o cientista acredita que essa avaliação levará ao menos um ano e meio para se tornar norma, dependendo da aceitação dos CAs e da mobilização favorável da comunidade científica em geral.

O fator impacto

Chaimovich alertou para a crítica conjuntura nacional e os cortes que a ciência vem sofrendo. Ele falou, por exemplo, sobre os prejuízos que o Ciência sem Fronteiras acarretaram, deixando o CNPq praticamente sem verbas para enviar pesquisadores ao exterior.

Falou também sobre a inconsistência da participação brasileira em publicações internacionais, concentrada em matemática e ciências da terra, mais ou menos em biológicas, mas mal em engenharia e praticamente inexistente em humanidades. "Nós estamos capengando em termos de competitividade. Temos alguns problemas que precisamos olhar se queremos crescer. A colaboração internacional é cada vez mais importante. Estamos caminhando para um caminho complexo, e estou pensando na nossa realidade e na tendência do mundo", enfatizou, citando exemplos como o do Reino Unido, onde 50% das publicações possuem coautoria com outros países.

"Minha mensagem é que o impacto da ciência brasileira e o número de cientistas têm que crescer. E crescer com qualidade exige que a governança das universidades de pesquisa seja absolutamente acadêmica. Ciência tem que estar relacionada com fronteira, já que ela como um todo tem que atender à demanda nacional. E para atender essa demanda, não pode voltar ao século XVIII", concluiu.

Recepção

Os participantes do encontro aproveitaram para esclarecer dúvidas sobre a proposta. A mesa foi presidida pela presidente da SBPC, Helena Nader, que aproveitou o encontro para destacar a importância da participação de toda a comunidade científica na política científica e tecnológica brasileira, bem como na trajetória do Marco Legal da CT&I, que está em vias de ser regulamentado. Nader ressaltou que é preciso o apoio de toda a comunidade, seja na regulamentação do marco legal, seja para pressionar o governo pela derrubada dos oito vetos impostos na ocasião de sua sanção em janeiro, seja junto ao congresso pelo financiamento de CT&I.

Em relação à implementação da nova proposta de avaliação, assinalou a importância da discussão entre todos os atores envolvidos, com especial atenção às sociedades científicas. Em sua opinião, a nova proposta de avaliação, embora interessante, coloca algumas questões preocupantes, pois da forma como já são feitas, apesar de não se aplicarem percentuais, os avaliadores observam todos os requisitos colocados. "Minha preocupação é de estarmos colocando uma camisa de força no processo de avaliação, impondo números que poderão nem sempre refletir a qualidade, e tirando a visão crítica da análise conjunta por pares", pondera a presidente da SBPC, alertando para a importância de se refletir sobre os critérios propostos.

Para a conselheira da SBPC, Regina Pekelmann Markus, o caminho proposto é bom porque ele flexibiliza. "O caminho anterior foi bastante bom, porque ele criou uma rota possível de nos trazer até aqui. Mas nós estamos precisando achar um novo caminho, porque nós esgotamos esse", comentou sobre a avaliação clássica dos projetos.

Já o vice-presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira, acredita que é importante levar essa discussão por todo o País, para poder aprimorá-la e fazer com que ela seja implementada. 'Eu acho que essa proposta vai na direção exatamente de uma ideia que gera ideias e gera inovação no sistema. E eu acho que o papel nosso aqui é fazer com que essa proposta seja discutida com toda a comunidade científica brasileira", sugeriu. A sugestão teve apoio da também vice-presidente da SBPC, Vanderlan Bolzani, que ressaltou a importância do posicionamento dos professores e pesquisadores nos rumos da ciência nacional. "Precisamos que nossa comunidade seja mais motivada a se envolver com as questões da ciência no País", disse.

O presidente do CNPq, Hernan Chaimovich, disponibilizou a sua apresentação, realizada nesta segunda-feira, na SBPC, que pode ser acessada aqui.

acessibilidade ufrj 2

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ampliará a acessibilidade em projetos e obras, assuntos acadêmicos e legislação na universidade. A Reitoria anunciou nesta quinta-feira, 1º de setembro, que pretende implantar o design universal em todos os prédios e instalações, para atender às pessoas com diferentes formas de deficiência.

A ação foi divulgada hoje na Casa da Ciência, em Botafogo, na abertura do IV Encontro Nacional de Acessibilidade Cultural (Enac), que acontece até o dia 10 de setembro.
Além das questões sobre acessibilidade no acesso aos prédios, o objetivo é ampliar a presença do tema no cotidiano da universidade, por meio de um calendário anual de ações. Para isso, será criado o fórum permanente "UFRJ Acessível e Inclusiva", que será lançado formalmente no dia 20 de setembro por Roberto Leher, reitor da Universidade.

Aplicativo para celular vai mapear áreas de acesso

A criação de um aplicativo que permita identificar os recursos acessíveis na UFRJ é uma das metas do fórum.
Pela manhã, o pesquisador Jean Cristophe Houzel, do programa ReAbilitArte, anunciou que um mapeamento do grau de acessibilidade nas vias da universidade está em fase de andamento. Os dados contribuirão para realizar melhorias na UFRJ.
Na roda de conversa que abriu o evento, os participantes discutiram os diversos desafios em acessibilidade cultural, como superar a invisibilidade social da pessoa com deficiência, adaptar softwares para as diferentes regiões do país, e a inclusão de disciplinas sobre acessibilidade em todos os cursos de graduação.

Evento aberto a todos os públicos

O IV Enac tem como objetivo divulgar e aproximar experiências, iniciativas, parceiros e instituições que atuem em prol da cultura acessível, bem como promover reflexão sobre a cidadania cultural da pessoa com deficiência e fomentar intercâmbios e redes.
O evento tem como público-alvo principal os produtores, realizadores e gestores públicos da área cultural. Mas educadores, familiares e profissionais das demais áreas também encontrarão uma grande oportunidade para conhecerem melhor as experiências e desafios para a promoção de uma cidade inclusiva.
Acesse a programação em https://enacufrj.wordpress.com.

1. Os convidados Claudia Sofia e Carlos Jorge, surdocegos, palestram na roda de conversa iniciada às 14h. Claudia usa a técnica tadoma para fazer leitura labial com os dedos no maxilar da intérprete. Carlos utiliza libras-tátil para receber as mensagens da intérprete e libras para se comunicar com o público.

2. Roda de conversa na parte da manhã discutiu formas de promover inclusão na UFRJ.

Fonte: ASSESSORIA DE IMPRENSA
Coordenadoria de Comunicação da UFRJ

 

  • sbctacnpqfaperjcapespetrobrassbm
  • rede de tecnologiafinep 2agencia de inovacaosebraeembrapanpi
  • projeto coralperiodicosCurta Logo Print 2
Topo